Câmara concede Medalha de Honra ao Mérito Municipal para Delegado Márcio A. Seguesse

A propositura é do vereador e presidente da Câmara, Huélinton Cassiano Riva (Progressistas).
Câmara concede Medalha de Honra ao Mérito Municipal para Delegado Márcio A. Seguesse

Delegado de Polícia, Dr. Márcio Acássio Seguesse.

Assessoria de Imprensa CM

 

O Plenário da Câmara Municipal de Ariranha, aprovou, na noite dessa terça-feira (2), por unanimidade, Projeto de Decreto Legislativo nº 001/2019, que autoriza a “Concessão de Medalha de Honra ao Mérito” ao cidadão ariranhense, Dr. Márcio Acássio Seguesse, Delegado de Polícia, pelos relevantes serviços prestados à comunidade. A propositura é do vereador e presidente da Câmara, Huélinton Cassiano Riva (Progressistas).

 

Márcio Acássio Seguesse nasceu no dia 07 do mês de Julho do ano de 1979 na cidade de Ariranha – SP, filho primogênito do Sr. Moacyr Seguesse e da Sra. Claudete Aparecida Andreto Seguesse e irmão de Mariele de Cássia Seguesse Dalto.

 

Aos cinco anos de idade, começou seus estudos na Escola Municipal “Benta Teixeira de Carvalho Pereira” e concluiu o ensino fundamental e médio na Escola Estadual “Gabriel Hernandez”. Sempre estudando em escola pública.

 

Começou a trabalhar desde cedo, quando aos 10 anos teve seu primeiro emprego, pegava sua bicicleta e ia até uma fábrica de caixas de madeira e lá trabalhava pregando caixinhas. Trabalhava no período da manhã e à tarde ia para a escola. Aos treze anos foi trabalhar na Delegacia de Polícia Civil de Ariranha emplacando (e colocando lacres) em lacrando. Trabalhava o dia todo e à noite concluía seus estudos na escola. E foi assim que começou a grande paixão pela sua atual profissão.

 

Muito dedicado, trabalhando como lacrador, aos dezessete anos chegava à conclusão do Ensino Médio e então o sonho de se tornar um grande homem exercendo a justiça, a ética e a luta pelos direitos falou mais alto. Resolveu, então, prestar vestibular para a faculdade de Direito, sendo classificado entre os primeiros colocados. Mas, como tudo não era fácil, os pais não tinham como pagar seus estudos,ele acabou não ingressando na faculdade nessa primeira tentativa.

 

Decidiu prestar concurso para Investigador de Polícia para trabalhar no que amava e, ao mesmo tempo, fazer a tão sonhada faculdade de Direito. E com sua garra e dedicação, estudou para os concursos e aos dezoitos anos se tornava um Investigador da Polícia Civil. Morou alguns meses na cidade de São José do Rio Preto para se formar como investigador e logo estava atuando na profissão na cidade de Pindorama.

 

Com isso veio novamente o vestibular e, então, aos dezenove anos entrou na tão sonhada faculdade de Direito de Catanduva, agora trabalhando e estudando. Mas seus sonhos, sua vontade de crescer não parava por aí... todo dia pegava sua moto e ia trabalhar em Pindorama, chegava do serviço e ia de Ariranha com o ônibus direto para a faculdade em Catanduva, chegando tarde da noite. Muitas vezes eram noites sem dormir, pois tinha plantões para cumprir. Mas isso não afetava em nada a imensa vontade de voar mais alto. Sempre achava um jeito para estudar e trabalhar.

 

Aos vinte e quatro anos se formou como um dos melhores alunos de sua turma, passando na prova do concurso da OAB na primeira vez em que prestou. Foi um orgulho imenso para seus pais e sua irmã.

 

Como queria voar mais alto, decidiu se manter no trabalho como Investigador de Polícia, exercendo a profissão com muita garra, e se tornar um grande delegado de polícia.

 

Novamente, ele unia os estudos com a profissão. Acordava todos os dias às quatro horas da manhã e estudava até o horário de pegar a estrada novamente e ir até a cidade de Pindorama para trabalhar. E assim que chegava à noite do trabalho, na sua casa em Ariranha, não ia descansar. Muitas vezes não, Dr. Márcio não tinha nem hora para jantar, pois seu compromisso com os estudos falava mais alto, estudando até a madrugada. Foram dias e alguns anos fazendo tudo isso. Não existiam finais-de-semana para diversão. Enquanto muitos jovens se divertiam, ele vivia seu mundo de luta, garra e determinação!

 

E então surgiu o tão esperado concurso para Delegado de Polícia...

 

Sempre trabalhando, estudando, se dedicando e com muita fé, no dia 29 de maio de 2012, aos trinta e dois anos de idade, em um concurso com mais de 24 mil inscritos, Márcio Acássio Seguesse foi classificado em 42º lugar para servir com Delegado Estadual de Polícia.

 

A emoção, felicidade, orgulho tomou conta de seus pais, irmã e familiares naquele momento. Foi um momento único, inexplicável!

 

Sendo assim, agora como Delegado, Dr. Márcio foi morar em São Paulo, onde concluiu a Escola de Delegado e trabalhou na Delegacia de Polícia da Capital. Foi transferido para o interior de São Paulo, na cidade de Tabapuã, perto de sua cidade natal, Ariranha.

 

“Hoje, Dr. Márcio, atua como Delegado nas cidades de Pindorama e Catanduva, e cumpre seu trabalho com retidão, honra, dedicação, garra e muito amor”, conclui Riva.

 

As “Medalhas de Honra ao Mérito” e os títulos de “Cidadão Ariranhense” desta gestão 2017-2020 serão entregues em sessão solene, ainda a ser agenda, com as homenagens que todos os congratulados merecem.

 

 

“Uma vida não se faz só de sonhos... Se faz de esforço, fé e realizações...”

O Plenário da Câmara Municipal de Ariranha, aprovou, na noite dessa terça-feira (2), por unanimidade, Projeto de Decreto Legislativo nº 001/2019, que autoriza a “Concessão de Medalha de Honra ao Mérito” ao cidadão ariranhense, Dr. Márcio Acássio Seguesse, Delegado de Polícia, pelos relevantes serviços prestados à comunidade. A propositura é do vereador e presidente da Câmara, Huélinton Cassiano Riva (Progressistas).

 

Márcio Acássio Seguesse nasceu no dia 07 do mês de Julho do ano de 1979 na cidade de Ariranha – SP, filho primogênito do Sr. Moacyr Seguesse e da Sra. Claudete Aparecida Andreto Seguesse e irmão de Mariele de Cássia Seguesse Dalto.

 

Aos cinco anos de idade, começou seus estudos na Escola Municipal “Benta Teixeira de Carvalho Pereira” e concluiu o ensino fundamental e médio na Escola Estadual “Gabriel Hernandez”. Sempre estudando em escola pública.

 

Começou a trabalhar desde cedo, quando aos 10 anos teve seu primeiro emprego, pegava sua bicicleta e ia até uma fábrica de caixas de madeira e lá trabalhava pregando caixinhas. Trabalhava no período da manhã e à tarde ia para a escola. Aos treze anos foi trabalhar na Delegacia de Polícia Civil de Ariranha emplacando (e colocando lacres) em lacrando. Trabalhava o dia todo e à noite concluía seus estudos na escola. E foi assim que começou a grande paixão pela sua atual profissão.

 

Muito dedicado, trabalhando como lacrador, aos dezessete anos chegava à conclusão do Ensino Médio e então o sonho de se tornar um grande homem exercendo a justiça, a ética e a luta pelos direitos falou mais alto. Resolveu, então, prestar vestibular para a faculdade de Direito, sendo classificado entre os primeiros colocados. Mas, como tudo não era fácil, os pais não tinham como pagar seus estudos,ele acabou não ingressando na faculdade nessa primeira tentativa.

 

Decidiu prestar concurso para Investigador de Polícia para trabalhar no que amava e, ao mesmo tempo, fazer a tão sonhada faculdade de Direito. E com sua garra e dedicação, estudou para os concursos e aos dezoito anos se tornava um Investigador da Polícia Civil. Morou alguns meses na cidade de São José do Rio Preto para se formar como investigador e logo estava atuando na profissão na cidade de Pindorama.

 

Com isso veio novamente o vestibular e, então, aos dezenove anos entrou na tão sonhada faculdade de Direito de Catanduva, agora trabalhando e estudando. Mas seus sonhos, sua vontade de crescer não parava por aí... todo dia pegava sua moto e ia trabalhar em Pindorama, chegava do serviço e ia de Ariranha com o ônibus direto para a faculdade em Catanduva, chegando tarde da noite. Muitas vezes eram noites sem dormir, pois tinha plantões para cumprir. Mas isso não afetava em nada a imensa vontade de voar mais alto. Sempre achava um jeito para estudar e trabalhar.

 

Aos vinte e quatro anos se formou como um dos melhores alunos de sua turma, passando na prova do concurso da OAB na primeira vez em que prestou. Foi um orgulho imenso para seus pais e sua irmã.

 

Como queria voar mais alto, decidiu se manter no trabalho como Investigador de Polícia, exercendo a profissão com muita garra, e se tornar um grande delegado de polícia.

 

Novamente, ele unia os estudos com a profissão. Acordava todos os dias às quatro horas da manhã e estudava até o horário de pegar a estrada novamente e ir até a cidade de Pindorama para trabalhar. E assim que chegava à noite do trabalho, na sua casa em Ariranha, não ia descansar. Muitas vezes não, Dr. Márcio não tinha nem hora para jantar, pois seu compromisso com os estudos falava mais alto, estudando até a madrugada. Foram dias e alguns anos fazendo tudo isso. Não existiam finais-de-semana para diversão. Enquanto muitos jovens se divertiam, ele vivia seu mundo de luta, garra e determinação!

 

E então surgiu o tão esperado concurso para Delegado de Polícia...

 

Sempre trabalhando, estudando, se dedicando e com muita fé, no dia 29 de maio de 2012, aos trinta e dois anos de idade, em um concurso com mais de 24 mil inscritos, Márcio Acássio Seguesse foi classificado em 42º lugar para servir com Delegado Estadual de Polícia.

 

A emoção, felicidade, orgulho tomou conta de seus pais, irmã e familiares naquele momento. Foi um momento único, inexplicável!

 

Sendo assim, agora como Delegado, Dr. Márcio foi morar em São Paulo, onde concluiu a Escola de Delegado e trabalhou na Delegacia de Polícia da Capital. Foi transferido para o interior de São Paulo, na cidade de Tabapuã, perto de sua cidade natal, Ariranha.

 

“Hoje, Dr. Márcio, atua como Delegado nas cidades de Pindorama e Catanduva, e cumpre seu trabalho com retidão, honra, dedicação, garra e muito amor”, conclui Riva.

 

As “Medalhas de Honra ao Mérito” e os títulos de “Cidadão Ariranhense” desta gestão 2017-2020 serão entregues em sessão solene, ainda a ser agenda, com as homenagens que todos os congratulados merecem.

 

“Uma vida não se faz só de sonhos... Se faz de esforço, fé e realizações...”